Entrevista do DN com Christopher Gillberg sobre autismo

“Um caso severo de autismo nunca é só isso”

 

ng7757005

Post in: dn.pt

O pedopsiquiatra Christopher Gillberg, pioneiro na investigação sobre esta condição esteve em Lisboa para participar no congresso internacional do CADin. Ao DN falou do seu trabalho e do que pode ser feito para melhorar a vida destas pessoas

O diagnóstico de autismo ainda não é exatamente fácil. Porquê?

Porque pode apresentar-se de muitas formas diferentes desde o primeiro momento. Pode afetar as capacidades motoras precoces ou causar atrasos na linguagem ou generalizados, ou apresentar-se através de reações exacerbadas a estímulos sonoros, por exemplo e portanto, torna-se difícil no início dizer, isto é autismo. É sobretudo importante olhar para o desenvolvimento da criança como um todo. Para um pai, algo de preocupante no desenvolvimento da sua criança que se prolongue no tempo, por exemplo, durante mais de seis meses, deve levá-lo a procurar um especialista que observe a situação.

Foi um dos pioneiros na investigação nesta área. O que o interessou no autismo?

Comecei por fazer investigação em défice de atenção e hiperatividade, mas ainda os anos de 1970, comecei a verificar que algumas destas crianças tinham problemas desse tipo. Nessa altura, o autismo era coisa muito misteriosa, que as pessoas acreditavam em geral que era causado por uma mãe que rejeitava o filho. Eu tinha a meu cargo essa área também e conheci todos aqueles pais que não encaixavam nesse padrão e fiquei interessado em perceber o que estava realmente a passar-se. Naquela época quase ninguém fazia investigação em autismo. Tive sorte de conseguir financiamento para trabalhar na área e tornou-se logo claro desde os primeiros trabalhos que que há uma série de problemas nesta condição que não podem ter a ver com o facto de a mãe ser distante ou algo desse género.

Quatro décadas depois dessas investigações, o autismo ainda está envolto em mistério?

Sim, mas já não é tão misterioso como as pessoas ainda pensam que é. O autismo não é uma doença, embora algumas doenças possam causar autismo. Mas isso também é verdade para o défice de atenção, que não é uma doença, ou um problema cognitivo, que também não é doença. O autismo é uma condição. Muitas pessoas, talvez sete a 10% da população em geral, são do tipo autístico: são menos interessadas em interações sociais, preferem estar sozinhas a conviver e poderão falar dos seus próprios interesses mas, em geral, não querem dos seus interesses das outras pessoas. Eventualmente, uma cada dez pessoas é assim. Dentro desse grupo, os seus filhos, se algo mais acontecer, como uma infeção grave durante a gravidez, ou uma insuficiência de vitamina D, por exemplo, ou a toma de alguma medicação, terão mais probabilidade de ter autismo acompanhado de problemas ou distúrbios, se outra doença acontecer. Será então autismo, porque há essas características, mas são os outros problemas que lhe estão associados que são mais importantes, como os que afectam a linguagem, por exemplo. Isso é mais importante do que ser um pouco estranho do ponto de vista social, mas as pessoas concentraram-se tanto na questão da sociabilidade, que isso acabou por ficar um pouco de lado.

O que está na origem de uma personalidade autista? Podemos dizer que isso radica no cérebro?

Sim, tudo está representado no cérebro, em termos de comportamento e de cognição. As pessoas nascem um pouco, muito, ou nada dentro do espectro do autismo. Mas há este equívoco de que o autismo explica os problemas de linguagem, o atraso motor, o baixo QI, ou a epilepsia, mas não é assim. Esses problemas surgem para lá do autismo. O problema não é o autismo, mas cada um dos problemas por si.

Muitas crianças são hoje diagnosticadas com défice de atenção. De repente parece uma epidemia. Como é que isso se explica?

Antes não dispúnhamos desse diagnóstico, não se sabia o que era mas certamente haveria tantos casos como hoje. Hoje quando uma criança é diagnosticada com autismo, por exemplo, o autismo em si é leve, e são os outros problemas associados que são o verdadeiro problema. Mas o diagnóstico de autismo é importante porque isso garante que os pais e a família têm acesso a apoio. Mas, feito um diagnóstico de autismo, é importante pensar nos outros problemas que podem estar associados e para os quais muita coisa pode ser feita em termos de intervenção e que produz melhoras. Por exemplo, há uma variedade de terapias excelentes para tratar sintomas de défice de atenção, desde o treino de memória nas crianças mais pequenas a intervenções na área do desporto, como as artes marciais.

E se a criança em causa não falar sequer? Há casos severos de autismo em que isso acontece.

Se o problema for o autismo, não há um problema de linguagem real, a menos que haja um problema severo de linguagem, para além do autismo. O autismo em si não tem a ver com a linguagem. Não conseguir falar, não é causado pelo autismo. Portanto, aí é necessário intervir especificamente no problema da linguagem. Mas também é preciso dizer que haverá sempre crianças que não chegarão a falar porque têm disfasia, são raros, mas existem e faça-se o que fizer, nunca chegarão a falar. Mas alguns deles poderão aprender a comunicar através de algum dispositivo.

As sociedades modernas estão hoje mais preparadas para lidar com este tipo de problemas?

Estão. Hoje, desde logo, sabe-se mais sobre o assunto, as pessoas ouviram falar, conhecem e aceitam que esses problemas existem.

O que é preciso ainda estudar para compreender melhor este tipo de condição e os seus problemas associados?

Há um subgrupo de pessoas no espectro do autismo, por exemplo, que têm um problema específico: não conseguem reconhecer a expressão facial das emoções e, portanto, não conseguem decifrar as emoções no rosto das outras pessoas. Essa capacidade é representado numa área particular do cérebro, que no caso dessas pessoas não está a funcionar bem. É a área fusiforme do cérebro, que é altamente especializada nessa função. Se ela tiver uma malformação ou estiver destruída por um tumor, ou tiver sido danificada por causa de uma infeção – sabe-se que o herpes pode afetar especificamente esta área – não é possível aprender a fazer esse reconhecimento, ou deixa de se conseguir fazê-lo. Este é um problema comum em pessoas com autismo e não acontece noutras situações. Este grupo precisa de uma abordagem específica, para treinar esta capacidade, porque talvez a pouca função que tenham possa ser treinada se a intervenção for suficientemente precoce. Sabemos de outras condições que, se as intervenções forem suficientemente precoces e focalizadas, é possível obter grandes melhoras.

Quando fala de intervenção precoce refere-se a que idades?

A minha esperança é que nos próximos anos estes problemas possam ser reconhecidos em idades tão precoces como o ano meio. Por exemplo, para os dois anos temos uma nova aplicação com rostos esmiles em as crianças têm de aprender a identificar as emoções. E conseguimos demonstrar que o que acontece na aplicação refete-se nesta área do cérebro. Se pudermos fazer estes treinos com este tipo de dispositivos, aquela área do cérebro pode melhorar o seu desempenho. O autismo nunca pode ser totalmente curado, mas pode sempre haver uma intervenção positiva, mesmo que o diagnóstico seja tardio.

Mas nos casos mais severos, em que não há comunicação sequer com as crianças, o que é possível fazer?

Sim, há situações em que não se pode fazer muito. Mas se o caso é tão severo, então não é só autismo e é necessária nova avaliação para identificar exatamente que outros problemas haverá. Pode haver epilepsia não diagnosticada, por exemplo. Um certo número desses casos severos têm epilepsia não diagnosticada. Tenho visto inúmeros casos em que uma vez diagnosticada e medicada a epilepsia, a situação melhora muito. Nos casos mais severos, é necessário fazer mais avaliações. Não se sabia nada disto há 20 anos.

No futuro, como vai desenvolver-se a investigação nesta área do autismo?

Uma das áreas que vai desenvolver-se será, sem dúvida, a que diz respeito a novas formas de treino para as pessoas que não diferenciam emoções faciais, por exemplo. Teremos de identificar biomarcadores para diferentes subgrupos de pessoas com problemas específicos, como este. É preciso encontrar formas de ajudar estas pessoas a treinar as capacidades em falta, ou até encontrar novas medicações.

Da sua experiência em todos estes anos, qual foi o maior avanço conseguido em relação ao autismo?

Foi, sem dúvida, o facto de termos saído de uma situação de total obscuridade para a que temos hoje, em que é absolutamente normal falar disso.

*Reportagem original em: http://www.dn.pt

Profissões: Engenharia – Consultoria de organizações e indivíduos

 

 

Este vídeo é da série PROFISSÕES que tem como objetivo mostrar depoimentos de pessoas que contam sua trajetória profissional, revelando os possíveis rumos que uma pessoa pode optar na sua carreira.

Nosso vídeo da série Profissões é com Marcos Vianna Sócio fundador da DOIS, atua desde 2009 como consultor na área de desenvolvimento de organizações e indivíduos.

Formado pela Adigo, já teve a oportunidade de conduzir dezenas de processos de desenvolvimento de organizações, grupos e indivíduos nas mais diversas regiões no Brasil. Atuou também por 19 anos como executivo nas áreas de Planejamento, Marketing e Vendas em empresas nacionais e multinacionais de grande e médio porte, tais como IBM, Coca-Cola, AmBev, ADP e ABF (Fleishmann/Mauri).

Foi consultor associado do Instituto EcoSocial e é co-fundador da Cooperativa ComViver (Germinar). É engenheiro de computação formado pela PUC-RJ, com MBA em Marketing pela FIA-USP e extensão na Universidade de Fresno-CA.

Contato profissional do Marcos Vianna: http://doisdesenvolvimento.com.br/ind… ou contato@doisdesenvolvimento.com.br

 

O PROCESSO DE LUTO: MORTE E PERDA

SONY DSC

Podemos conceituar o luto como um processo provocado pelo rompimento de vínculo com um objeto, aprofundando podemos descrever como:

Esse rompimento pode ser caracterizar por ser parcial, por exemplo quando alguém que você possui um relacionamento vai residir em outro estado, ou total, podemos dizer no caso da morte.

O vínculo pode ser afetivo positivo, ou amoroso você ama a pessoa com quem você estava e que agora não está mais. Ou pode ser circunstancial, possui um envolvimento amoroso ou envolvimento afetivo; mas tem como característica predominante a ocupação desta pessoa/objeto na vida cotidiana, ou seja, uma pessoa/objeto se posiciona num lugar central de tarefas cotidianas de uma outra, como por exemplo uma perda do trabalho.

O objeto configura-se por significa múltiplos como por exemplo, termino de relacionamento, morte de alguém, ser demitido do trabalho e outros.

O processo do luto vai acontecer devido a atribuição de investimento afetivo, por isso enlutar-se é um processo doloroso. Provoca a necessidade de mudança, a pessoa vai ter que elaborar outros esquemas (afetivos, psíquicos, cotidianos). Por exemplo, se uma senhora acordava todos os dias e fazia o café da manhã para seu marido e ele faleceu, agora este fato cotidiano (de anos, as vezes de 40 anos) não vai mais pode ser realizado por seu esposo faleceu. O luto é um processo no qual a pessoa confronta-se com sua perda e tenta adaptar-se como a nova realidade.

Neste processo acontece uma reorganização de esquemas e de uma vida. Movendo-se para uma ressignificação da relação com aquilo que foi perdido. É importante dizer que a questão do “luto normal” ou “luto patológico” é questionada, porque cada pessoa vai elaborar o luto de uma forma singular. Segundo LEMOS & CUNHA, o luto não possui um fim ou uma solução, mas uma incorporação da perda. Deste modo a pessoa reconstrói seu modo de ser e estar sem aquele objeto perdido.

Essa incorporação não acontece de modo universal e nem linear, mas Kübler-Ross conseguiu descrever esse processo de forma didática facilitando o nosso entendimento sobre tal processo. Ela sistematizou em estágios (em pacientes terminais, referenciado em 2):

Primeiro estágio: negação e isolamento

A negação é mecanismo de defesa temporário diante da morte; geralmente não persiste por muito tempo. A intensidade e duração desse estágio dependem da capacidade do enfermo, e das outras pessoas que convivem com ele, de lidar com essa dor. No entanto, alguns pacientes podem jamais ultrapassar esse estágio, indo de médico em médico, até encontrar alguém que o apoie em sua posição.

O que faz? O mais sensato seria falar sobre a morte com pacientes e familiares.

 

Segundo estágio: raiva

Esse estágio pode estar relacionado à impotência e à falta de controle sobre a própria vida.

É muito difícil lidar com o paciente nessa fase: faz exigências, se revolta, solicita atenção contínua, faz críticas e tem explosões comportamentais caso não seja atendido ou se sinta incompreendido e desrespeitado. Geralmente se revoltam contra Deus, o destino ou alguém próximo. Uma pergunta comum é “Por que eu? Por que isso está acontecendo logo comigo?“.

O que faz? É importante que haja compreensão dos demais sobre a angústia transformada em raiva no. A raiva expressada não pode ser encarada como algo pessoal.

Terceiro estágio: barganha

Nessa fase, geralmente o paciente tenta negociar com Deus de maneira implícita ou até mesmo com os médicos, entrando em algum tipo de acordo que adie seu desfecho inevitável.

Os pacientes acreditam que, por serem obedientes, alegres e não questionadores, o médico fará com que melhorem. Normalmente, a pessoa que se encontra nesse estágio realiza promessas em sigilo, contando com a possibilidade de ser recompensada por seu bom comportamento. Em geral, o paciente se mantém sereno, reflexivo e dócil.

 

Quarto estágio: depressão

Essa fase surge quando o paciente se encontra em fase terminal e tem consciência da sua debilidade física; portanto, não pode mais negar sua doença. Nessa etapa, o indivíduo é muitas vezes forçado a submeter-se a mais uma hospitalização ou a outra cirurgia.

A depressão assume quadro clínico característico: desânimo, desinteresse, apatia, tristeza, choro etc.

O que faz? Deve-se deixar o paciente à vontade para externar seu. O paciente está prestes a perder tudo e todos os que amam, por isso é importante que passe os momentos finais junto de seus familiares e entes queridos.

Quinto estágio: aceitação

Kübler-Ross chega à conclusão de que, no último estágio, os pacientes que viveram a doença e receberam apoio podem chegar a essa fase aceitando o processo. Na maioria das vezes, o paciente manifesta grande tranquilidade e pode permanecer em silêncio. Já não experimenta o desespero nem rejeita sua realidade.

O que faz? Esse é o momento em que os familiares mais precisarão de amparo, ajuda e compreensão, devendo a equipe responsável ter ciência do estágio pelo qual o paciente está passando.

  

Referência:

  1. Santos, Laura Ferreira dos; Macedo, João Carlos Gama Martins. Elisabeth Kübler-Ross : a necessidade de uma educação para a morte. 2004 disponivel em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/947?mode=full
  1. PAIVA, Fabianne Christine Lopes de; ALMEIDA JUNIOR, José Jailson de; DAMASIO, Anne Christine. Ética em cuidados paliativos: concepções sobre o fim da vida. Bioét.,  Brasília ,  v. 22, n. 3, p. 550-560,  Dec.  2014 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-80422014000300019&lng=en&nrm=iso>. access on  17  Oct.  2016.  http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422014223038.
  1. LEMOS, Luana Freitas Simões; CUNHA, Ana Cristina Barros da. Concepções Sobre Morte e Luto: Experiência Feminina Sobre a Perda Gestacional. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 35, n. 4, p. 1120-1138,  Dec.  2015 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932015000401120&lng=en&nrm=iso>. access on  17  Oct.  2016.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001582014.
jglkgl

PLS 439/15: Projeto de lei que regula atuação do psicólogas/os em RH

Senado abre consulta pública, e CRP-16 convoca a categoria a votar CONTRA a proposta que dispõe sobre atividades do administrador, desconsiderando a atuação multiprofissional nos recursos humanos. E mais: envie e-mail ao relator do PLS para fortalecer a mobilização!

O CRP-16 convoca toda a categoria profissional a participar da consulta pública, no site do Senado Federal, referente ao Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 439/2015,  VOTANDO CONTRA A PROPOSTA!

O PLS 439/15 dispõe sobre o exercício de atividades nos campos da Administração. Porém, ao discorrer sobre as atividades do administrador, o PLS compromete a atuação multiprofissional na área de Recursos Humanos (RH).

É que a proposta trata como exclusivas de profissionais formados em Administração atividades como: organização de processos seletivos e concursos públicos, administração hospitalar e serviços de saúde, magistério e perícias em gestão das organizações, avaliação de desempenho de pessoas e consultoria em organizações etc.

Seguem alguns trechos do PLS:
São atividades exclusivas do(a) Administrador(a):
II – magistério em conteúdos de formação profissional do campo da administração e da gestão das organizações;
IV – elaboração e gestão de planos de cargos, carreiras e salários;
V – elaboração e gestão de folhas de pagamento, registros e lançamentos de efetividade de pessoal das empresas e organizações em geral;
VII – elaboração e gestão de pesquisa salarial, descrição e avaliação de cargos e pesquisa organizacional;
X – avaliação de desempenho de pessoas e consultoria em organizações;
XI – elaboração de planejamento estratégico, planos de negócios, planos orçamentários e planos de reposicionamento das organizações.

CBO. Vale ressaltar que o Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), do Ministério do Trabalho, estabelece que:

Profissionais de recursos humanos devem ter como formação e experiência: O exercício dessa ocupação requer escolaridade de ensino superior. O desempenho pleno das funções ocorre após o período de cinco anos de experiência profissional;

E gerentes de recursos humanos e de relações do trabalho devem ter como formação e experiência: As ocupações da família são exercidas por profissionais que tenham cursado, pelo menos, o nível superior completo, formados em qualquer ramo do conhecimento, com experiência ou formação complementar predominante nas áreas de psicologia ou administração. É desejável que as ocupações sejam exercidas por profissionais com quatro a cinco anos de experiência na área de recursos humanos.

Diante disso, o CRP-16 destaca ser de fundamental importância que todas/os as psicólogas e os psicólogos acessem a consulta pública e VOTEM CONTRA O PLS 439/2015.  O trabalho em RH também é campo de atuação da psicóloga e do psicólogo!

Fonte: CRP16

Shell Iniciativa Empreendedora realiza Feira de Negócios em Vila Velha

 

O Shell Iniciativa Empreendedora (IE) realiza a quarta edição da Feira de Negócios do Programa. O evento reúne os 32 empreendedores que vão expor os seus projetos para os visitantes, na intenção de desvendar novas parcerias, fomentar o empreendedorismo local, e, claro, concorrer ao prêmio POP. O negócio mais votado recebe uma premiação ao final da noite.

Esse ano, a Feira de Negócios traz como tema “Seja a mudança que você quer ver no mundo”. Essa frase, de Mahatma Gandhi, reflete a trajetória do empreendedorismo sustentável que o Programa busca incentivar em cada participante, para que seu negócio seja, realmente, um ponto de influência positiva local. Segundo a coordenadora local, Rany Ferrari, esse é o momento do empreendedor ouvir outras opiniões e até críticas ao seu projeto, e, a partir disso, até compreender melhor a demanda local.

O evento, que é aberto ao público, e, além de premiar o mais votado, também dará prêmios de primeiro, segundo e terceiro lugar para os empreendimentos escolhidos por um júri secreto. Esses parceiros voluntários conversarão com os empreendedores, além de ter acesso ao seu plano de negócios. Dessa forma, o ouro, a prata e o bronze vão para aqueles que melhor se estruturaram, desde a entrada no programa.

Sobre o Shell Iniciativa Empreendedora

Financiado pela Shell e executado pelo CIEDS (Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável), o Shell Iniciativa Empreendedora é inspirado no programa internacional da companhia anglo-holandesa de apoio a novos negócios, o Shell LiveWIRE. No Brasil, as ações do projeto capacitam e apoiam novos empreendedores direcionados à cadeia de óleo e gás no Norte Fluminense e no Litoral Sul Capixaba, além das cidades de Vitória, Vila Velha e Serra.

 

Serviço:

Data: 20 de outubro

Horário: 16h às 21h

Local: Shopping Boulevard Vila Velha

Praça de Alimentação

Rodovia do Sol, 5.000 – Itaparica

Vila Velha – ES

 
conviteiniciativaempreendedoraemktvilavelha
 
 

Dica de Livro: Eu Tinha Um Cão Negro Seu Nome Era Depressão

cao

 

Nome: Eu Tinha Um Cão Negro Seu Nome Era Depressão

Autor: Matthew Johnstone

Editora: Sextante

Comentário: 

Eu tinha um cachorro preto foi escrito por Matthew em 2005, a ideia do livro surgiu logo após o ataque terrorista de 9/11, o autor vivia em Nova York, nesta época. Ele conta um pouco sobre o assunto de depressão:

“Percebi que a vida é intrinsecamente curta e pensei o que eu estava fazendo com a minha vida, não estava vivendo-a devido a um companheiro indesejado. Depressão tinha acompanhado grande parte da minha vida desde os meus 20 e tinha investido grande quantidade de energia em cobri-la. Varias pessoas me alertaram ou foram contra a criação do livro. Esta foi uma das melhores coisas que eu já tinha feito com minha vida. Não só me libertei, mas comecei a viver a minha vida autenticamente. A maior lição em tudo isso para mim foi ajudar os outros é uma das melhores maneiras que podem ajudar a nós mesmos” (2).

Este é um livro que ajuda a milhares de pessoas a personificar e explicar seu sentimento, fazendo muitas pessoas a colocarem seus “cão negros no canil”. É interessante principalmente por ele ser homem e vocês podem ler a quantidade de depoimentos de homens que escrevem em seu site afirmando que essa coragem de assumir e falar sobre o assunto, auxiliou no processo de recuperação deles, pois se tornaram mais abertos e mais seguros para falar sobre o assunto e com seus cães. O livro não é voltado para homens, mas para todos e qualquer um que sofre com a depressão.

É um livro pequeno e simples com textos exatos e desenhos impactantes, Matthew conta a historia de um homem cuja a vida é “assombrada” por um labrador preto (depressão). Essa analogia da depressão com cães negros têm sido usada desde os tempos celtas, Winston Churchill usou essa metáfora para descrever sua própria luta com a melancolia (1).

A Organização Mundial da Saúde para marcar o Dia Mundial da Saúde Mental em colaboração com o escritor e ilustrador Matthew Johnstone contaram a história de superação do Cão Negro, disponibilizando um vídeo sobre o livro (aqui, em inglês). Abaixo segue o vídeo legendado:

 

Bibliografia: 

1. https://matthewjohnstone.com.au/courses/i-had-a-black-dog/aussiereviews-com/

2. https://matthewjohnstone.com.au/courses/i-had-a-black-dog/

3. https://matthewjohnstone.com.au/courses/i-had-a-black-dog/videos/

4. https://matthewjohnstone.com.au/

 

 

LabX na Serra e Aracruz: Coloque seus projetos em execução

kjdlkfjlkjlfke

 

O curso de formação de lideranças da Fundação Estudar chega a Serra pela primeira vez, pois sabemos que aqui temos uma rede incrível e com pessoas com vontade de transformar!

O LabX tem como objetivo:
1. Te ajudar a descobrir o seu Sonho Grande e a deixá-lo ainda maior;
2. Alinhar o seu sonho com sua carreira profissional;
3. Aumentar a sua capacidade de execução;
4. Te colocar como protagonista da sua vida.

E para isso te entregamos:
1. Conteúdo sobre liderança desenvolvido pela Estudar durante 25 anos;
2. Contato com rede de gente boa da sua cidade e do Brasil;
3. Inspiração a partir de convidados e cases de sucesso;
4. Oportunidade de botar pra fazer e dar um grande salto em direção ao seu Sonho .

Se é isso que você busca, venha fazer parte da maior rede de Gente Boa do Brasil com a Fundação Estudar!

O LabX Serra e Aracruz ocorrerá nos dias 22/10 e 19/11

Faça diferente. Venha ser protagonista da sua carreira!

 

WhatsApp Image 2016-10-13 at 18.37.57

Curso: Quer colocar projetos em execução venha participar do LabX Aracruz

A formação de lideranças da Fundação Estudar chegou em ARACRUZ!

O LabX tem como objetivo:
1. Te ajudar a descobrir o seu Sonho Grande e a deixá-lo ainda maior;
2. Alinhar o seu sonho com sua carreira profissional;
3. Aumentar a sua capacidade de execução;
4. Te colocar como protagonista da sua vida.

E para isso te entregamos:
1. Conteúdo sobre liderança desenvolvido pela Estudar durante 25 anos;
2. Contato com rede de gente boa da sua cidade e do Brasil;
3. Inspiração a partir de convidados e cases de sucesso;
4. Oportunidade de botar pra fazer e dar um grande salto em direção ao seu Sonho.

Se é isso que você busca, venha fazer parte da maior rede de Gente Boa do Brasil com a Fundação Estudar!

O LabX Aracruz ocorrerá nos dias 22/10 e 19/11.

Faça diferente. Venha ser protagonista da sua carreira!

Inscrições até 17/10!!

Saiba mais em: https://goo.gl/DlKp0l