Entenda o Transtorno do Espectro Autista

A busca pelo conhecimento é um grande passo para quebrar tabus e preconceitos

Há um crescente interesse e necessidade em compreender os transtornos que nos cercam, e hoje iremos abordar um deles: O Transtorno Espectro Autista. É imprescindível que tenhamos intimidade com as diretrizes que abordam a temática, para contribuirmos com a educação direta ou indireta de nossas crianças, como família ou sociedade, pois todos somos componentes desse universo social, que atua de forma vívida no cotidiano das nossas crianças. Neste artigo, pretendemos de forma geral e imparcial; esclarecer o que á o TEA, bem como seu diagnóstico e as formas de intervenções existentes.

O transtorno do espectro autista (TEA) é um distúrbio do desenvolvimento neurológico, caracterizado pelo comprometimento das habilidades sóciais, de comunicação e comportamentais; nos quais podem aparecer de formas e intensidades variadas. Pode surgir antes, durante ou logo após o nascimento; as diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias; ou podem ser mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento. Pode ser associado com deficiência intelectual, dificuldades de coordenação motora e atenção; podendo ocorrer problemas de saúde física, como distúrbios do sono e gastrointestinais; e podem apresentar síndrome de déficit de atenção e hiperatividade, dislexia ou dispraxia.

Na adolescência podem desenvolver ansiedade e depressão. Algumas pessoas podem ter dificuldades de aprendizagem em diversos estágios da vida, desde estudar na escola, até aprender atividades da vida diária. Algumas poderão levar uma vida relativamente “normal”, enquanto outras poderão precisar de apoio especializado ao longo de toda a vida.

Possuem formas de sensibilidade sensoriais mais aguçadas. Podem não sentir dor ou temperaturas extremas. Agitar as mãos para criar sensação, ajudar com o balanço e postura; para lidar com o stress ou ainda, para demonstrar alegria. Sensibilidade sensorial pode dificultar o conhecimento adequado de seu próprio corpo. Consciência corporal é a forma como o corpo se comunica. Um bom desenvolvimento do esquema corporal pressupõe uma boa evolução da motricidade, das percepções espaciais e temporais, e da afetividade.

Destacam-se em habilidades visuais, música, arte e matemática. Aproximadamente 65% têm algum nível de deficiência intelectual. Os indivíduos com autismo leve, apresentam faixa normal de inteligência. E cerca de 10% têm excelentes habilidades intelectuais para a sua idade.

A partir do último Manual de Saúde Mental, o Autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não-especificado e Síndrome de Asperger, fundiram-se em um único diagnóstico: Transtornos do Espectro Autista – TEA. No Qual, afeta 1% da população, sendo a maioria homens. Acredita-se que fatores ambientais, como infecções ou uso de determinados medicamentos durante a gestação, tenham papel em seu desenvolvimento, estima-se que seja hereditário em cerca de 50% a 90% dos casos.

O diagnóstico durante os anos pré-escolares é muito raro, isso se deve à falta de conhecimento sobre o desenvolvimento normal de uma criança, em particular, na área da comunicação não-verbal. As preocupações dos pais e dos profissionais recaem mais no atraso da fala da criança do que no comportamento. Atrasos no diagnóstico atrapalham o desenvolvimento de estratégias de comunicação efetivas, em um estágio precoce auxiliam a prevenir o comportamento diruptivo.

As crianças já começam a demonstrar sinais nos primeiros meses de vida: elas não mantêm contato visual efetivo e não olham quando você chama. A partir dos 12 meses, elas também não apontam com o dedinho. No primeiro ano de vida, demonstram mais interesse nos objetos do que nas pessoas.

O diagnóstico do autismo é clínico, feito através de observação direta do comportamento e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. Os sintomas costumam estar presentes antes dos 3 anos de idade, sendo possível fazer o diagnóstico por volta dos 18 meses de idade. O diagnóstico preciso não é uma tarefa fácil, pode haver problemas para distinguir crianças autistas de não-verbais com déficits de aprendizado ou prejuízo da linguagem. No entanto, aos 3 anos, as crianças tendem a preencher os critérios. Atualmente, existem vários instrumentos que podem ser utilizados em crianças em diferentes estágios da vida, tais como: Checklist for Autism in Toddlers (CHAT); Pervasive Developmental Disorders Screening Test (PDDST); Screening Tool for Autism in two year old, Checklist for Autism in Toddlers-23 (CHAT-23) e Modified Checklist for Autism in Toddlers (M-CHAT).

O TEA possui 3 níveis diferentes de intensidade:

Nível 1 – Exige acompanhamento: Dificuldade para iniciar interações sociais, podem aparentar pouco interesse. Dificuldade em trocar de atividade. Problemas para organização e planejamento são obstáculos à independência.

Nível 2 – Exige acompanhamento moderado: Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal. Inflexibilidade do comportamento, dificuldade de lidar coma mudança, comportamentos restritos/repetitivos aparecem com frequência. Sofrimento/dificuldade para mudar o foco ou as ações

Nível 3 – Exige acompanhamento intenso: Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal causam prejuízos graves de funcionamento, limitação em iniciar interações sociais e resposta mínima a aberturas sociais que partem de outros. Inflexibilidade de comportamento, extrema dificuldade em lidar com a mudança ou outros comportamentos restritos/repetitivos interferem acentuadamente no funcionamento em todas as esferas. Grande sofrimento/dificuldade para mudar o foco ou as ações.

Sobre os tratamentos farmacológicos, encontra-se em alta a 10 anos no mercado, os antipsicóticos atípicos (AAPs) são um grupo de fármacos originalmente desenvolvidos para tratar psicose. Os medicamentos nesse grupo incluem a clozapina, a risperidona, a olanzapina, a quetiapina, a ziprazidona e o aripiprazol. Os sintomas-alvo incluem agressão, automutilação, destruição de propriedade ou crise de ira. Oferecem vantagens particulares, possuem menor risco de induzir efeitos colaterais neurológicos de curto prazo, como Parkinsonismo, e talvez discinesia tardia no longo prazo. Além disso melhoram os sintomas “negativos” da esquizofrenia.

Na intervenção multidisciplinar, o planejamento do tratamento deve ser estruturado de acordo com as etapas de vida do paciente. Com crianças, a prioridade deveria ser terapia da fala, interação social/linguagem, educação especial e suporte familiar. Com adolescentes, os alvos seriam os grupos de habilidades sociais, terapia ocupacional e sexualidade. Com adultos, questões como moradia e tutela, e que, infelizmente, além de quase inexistentes, não possuem estrutura ou quantidade adequada para a demanda, gerando preocupação nos familiares, sociedade e membros da área da saúde.

Há uma variedade de serviços disponíveis, desde aqueles com abordagens individuais, até aqueles compostos por clínicas multidisciplinares. A eficácia do tratamento depende da experiência e conhecimento dos profissionais; e da habilidade de trabalhar em equipe e com a família.

Existe quatro alvos básicos de qualquer tratamento: 1) estimular o desenvolvimento social e comunicativo; 2) aprimorar o aprendizado e a capacidade de solucionar problemas; 3) diminuir comportamentos que interferem com o aprendizado e com o acesso às oportunidades de experiências do cotidiano; e 4) ajudar as famílias a lidarem com o autismo.

Crianças com grande déficit em sua habilidade de comunicação verbal podem requerer alguma forma de comunicação alternativa. A escolha apropriada do sistema depende das habilidades da criança e do grau de comprometimento. Sistemas de sinais e figuras que estimulam habilidades cognitivas, linguísticas ou de memória. Em geral, o foco está em ativar encorajar a interação.

A respeito da necessidade da frequência do aluno em escola especial ou não, ainda deve ser tratada de forma individual, focando nas necessidades e potencialidades da criança. Alguns estudos sugerem que, com educação apropriada, as crianças são mais capazes de utilizar as habilidades intelectuais que possuem. Há evidência de que prover educação formal de forma precoce, a partir dos 2 aos 4 anos, aliada à integração de todos os profissionais envolvidos, é a abordagem terapêutica mais efetiva.

A respeito dos comportamentos desafiadores (comportamentos agressivos, autodestrutivos), alguns estudos demonstraram que possuem funções comunicativas sociais importantes, que são: indicar a necessidade de auxílio ou atenção; escapar de situações ou atividades que causam sofrimento; obter objetos desejados; protestar contra eventos/atividades não-desejados; obter estimulação.

Há abordagens que podem auxiliar a reduzir esses comportamentos ensinando a criança a utilizar meios alternativos de comunicação. É importante que a modificação seja feita gradualmente, sendo a redução da ansiedade e do sofrimento o objetivo principal.

Parece que o treinamento de habilidades sociais é mais eficaz quando realizado em uma situação específica, pois cada situação exige uma resposta social diferente. O resultado das intervenções em grupos de habilidades sociais tende a ter efeito mais limitado, devido às dificuldades da criança em generalizar as habilidades adquiridas.

Há evidência de que o autismo impacta na família, e a sobrecarga está afetando principalmente as mães. Elas estão apresentando estresse maior do que os pais, bem como, depressão, insônia e ansiedade. O fornecimento de suporte aos pais é crucial, pois as doenças parentais podem afetar a criança. Essas doenças podem estar relacionadas à incerteza do diagnóstico, tratamento e prognóstico; transições evolutivas; dificuldades prévias; maiores jornadas de trabalho; e ambiguidade intrafamiliar e social.

Os profissionais que trabalham com as famílias podem auxiliá-las a avaliar os fatores emocionais e os recursos para solucionar problemas. As famílias podem ser ajudadas a serem mais resilientes, variam quanto ao tipo de suporte e informação de que necessitam. É importante reconhecerem a frustração, a raiva e a ambivalência de seus sentimentos como um processo normal; ensinar técnicas de manejo com a criança e prover informações; e principalmente aconselhar os pais sobre as vantagens e desvantagens relativas a diferentes tratamentos.

Concluímos que a partir do direcionamento correto, com o aparato e suporte de profissionais podemos atuar para tornar nosso espaço comum em um lugar feliz e inclusivo; começado pela compreensão, compaixão e paciência, e que seja recíproco. A busca pelo conhecimento é um grande passo para quebrar tabus e preconceitos, nos quais se sustentam pela desinformação. A escolha do tratamento adequado é uma escolha intima de cada família, de acordo no que acreditam e as informações que buscam, é sempre importante ouvir mais de uma opinião. Sabemos que, se tratando do poder público, poderá haver lacunas a serem preenchidas, e poderá faltar esclarecimento para as famílias em risco social e tratamento suficiente para os pacientes.

 

Referências

Autor desconhecido. O que é Autismo ou Transtorno do Espectro Autista. 2010. Disponível em: <autismo.institutopensi.org.br/informe-se/sobre-o-autismo/o-que-e-autismo/>

Oliveira G. K. e Setié L. A. Transtornos do espectro autista: um guia atualizado para aconselhamento genético. 2017. Disponível em: <scielo.br/pdf/eins/v15n2/pt_1679-4508-eins-15-02-0233.pdf>

N. Roumen, J. Jacob e S. Lawrence. Revista Brasileira de Psiquiatria. Autismo: tratamentos psicofarmacológicos e áreas de interesse para desenvolvimentos futuros. 2006. Disponível em: <scielo.br/pdf/rbp/v28s1/a06v28s1.pdf>

B. A. Cleonice. Revista Brasileira de Psiquiatria. Autismo: intervenções psicoeducacionais. 2006. Disponível em: <scielo.br/pdf/rbp/v28s1/a07v28s1.pdf> Autor Desconhecido. Diagnóstico do Autismo. 2010. Disponível em: <autismo.institutopensi.org.br/informe-se/sobre-o-autismo/diagnosticos-do-autismo>

N. C. I. Maria. Revista técnica Aristides Volpato Cordiolo, 5ª edição, Porto Alegre, RS. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM 5. 2014. Disponível em: <ama.org.br/site/diagnostico.html>

 

 


Lícia Marchiori Crespo

Graduada em Hotelaria pelo SENAC, Águas de São Pedro/SP. Cursando o 4º Período de Psicologia pela UNIP, Vitória/ES. Atuou como docente de Hotelaria, SENAC/ES, 2014. Desde 2013, atua em consultorias e treinamentos para Meios de Hospedagem e A&B. Trabalha como voluntária e idealizadora de projetos sociais, nacionais e internacionais, desde 2005.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*