o que é autoestima

Psi Responde: O que é autoestima e como posso melhorá-la?

Autoestima refere-se à percepção que uma pessoa tem de seu próprio valor. É a avaliação subjetiva que cada indivíduo faz de si mesmo, que pode ser positiva ou negativa. Ter uma autoestima saudável significa reconhecer seu próprio valor, sentir-se merecedor de felicidade e capaz de enfrentar desafios com confiança. Mas como melhorá-la? Vamos sanar a sua dúvida neste artigo!

Como Melhorar a Autoestima?

Pratique a Autocompaixão

  • Seja gentil e compreensivo consigo mesmo, especialmente durante momentos difíceis. Reconheça que errar é humano e que cada experiência é uma oportunidade de aprendizado.

Estabeleça Metas Realistas

  • Defina metas alcançáveis que possam ser gradualmente expandidas. Alcançar essas metas irá reforçar sua crença em suas próprias habilidades.

Mantenha um Diário de Gratidão

  • Escrever regularmente sobre as coisas pelas quais você é grato pode mudar seu foco das preocupações para os aspectos positivos da sua vida.

Cuide de Seu Corpo

  • Exercício físico regular, alimentação saudável e sono adequado são essenciais para o bem-estar geral e podem melhorar significativamente a forma como você se sente consigo mesmo.

Desenvolva Habilidades

  • Aprender novas habilidades ou aprimorar habilidades existentes  aumentar a autoconfiança e contribuir para uma autoestima mais positiva.

Cerque-se de Relações Positivas

  • Passe tempo com pessoas que o apoiem e o encorajem. Evite relacionamentos tóxicos que drenam sua energia e autoestima.

Fale Positivamente Consigo Mesmo

  • O diálogo interno negativo é muito prejudicial. Faça um esforço consciente para se tratar com respeito e falar consigo mesmo de maneira positiva e encorajadora.

Defina Limites Saudáveis

  • Aprenda a dizer não e a defender suas necessidades e desejos. Definir limites claros com os outros contribui para uma autoimagem positiva.

Procure Apoio Profissional

  • Se baixa autoestima está afetando sua vida diária ou causando angústia, considerar a terapia pode ser útil. Pois, um terapeuta ajuda a identificar as causas da baixa autoestima e trabalhar com você para desenvolver estratégias para melhorá-la.

Celebre Suas Conquistas

  • Não importa quão pequenas, celebrar suas conquistas pode reforçar o reconhecimento de suas capacidades e sucesso, fortalecendo sua autoestima.

Em síntese, melhorar a autoestima é um processo contínuo e gradual. Focar nessas áreas vai ajudá-lo a desenvolver uma visão mais positiva de si mesmo e a viver uma vida mais plena e satisfatória.

Quer aprimorar ainda mais a sua autoestima? Veja também o nosso próximo conteúdo: Cuidar da saúde mental – O fundamento para uma vida mais harmonizada!

terapia psicológica

Psi Responde: O que é terapia psicológica e como funciona?

A terapia psicológica, também conhecida como psicoterapia, é um processo colaborativo entre um terapeuta e um cliente, projetado para ajudar as pessoas a entender e lidar com seus problemas emocionais, comportamentais ou mentais. O objetivo principal é promover a saúde mental e o bem-estar, permitindo ao indivíduo funcionar melhor em sua vida diária e alcançar um sentido de satisfação e equilíbrio emocional.

Como Funciona a Terapia Psicológica?

Avaliação Inicial

Geralmente, a terapia começa com uma ou mais sessões iniciais de avaliação, onde o terapeuta coleta informações sobre o histórico do cliente, seus desafios atuais, objetivos terapêuticos e qualquer outro detalhe relevante. Isso ajuda o terapeuta a entender as necessidades do cliente e a estruturar o tratamento de forma adequada.

Estabelecimento de Metas

Juntamente com o terapeuta, o cliente define metas claras e objetivos para o processo terapêutico. Essas metas podem incluir a superação de ansiedade, o manejo de sintomas depressivos, a melhoria das relações interpessoais, entre outros.

Intervenções Terapêuticas

Existem várias abordagens terapêuticas que podem ser utilizadas, dependendo das necessidades do cliente e da especialidade do terapeuta. Alguns exemplos incluem terapia cognitivo-comportamental, terapia psicodinâmica, terapia centrada na pessoa, terapia sistêmica familiar, e muitas outras. Cada abordagem tem suas técnicas e métodos específicos.

Processo Contínuo

A terapia é um processo contínuo que envolve sessões regulares, geralmente semanais. Durante estas sessões, o terapeuta e o cliente trabalham juntos para explorar pensamentos, sentimentos e comportamentos, enfrentar desafios específicos e trabalhar em direção às metas estabelecidas.

Avaliação e Ajustes

Ao longo do tempo, o progresso é avaliado, e as metas podem ser ajustadas conforme necessário. O terapeuta pode introduzir novas estratégias ou modificar a abordagem com base na resposta do cliente ao tratamento.

Conclusão da Terapia Psicológica

Uma vez que as metas terapêuticas são atingidas ou quando o cliente se sente suficientemente equipado para lidar com suas questões de forma independente, a terapia pode ser concluída. O término é geralmente discutido e planejado com antecedência entre o terapeuta e o cliente.

Em síntese, a terapia psicológica oferece um espaço seguro e confidencial para os indivíduos explorarem suas emoções e desafios, promovendo o autoconhecimento e estratégias eficazes para lidar com as dificuldades da vida. É uma ferramenta poderosa para a transformação pessoal e o crescimento emocional.

Veja também o nosso próximo conteúdo: Porque fazer terapia com um psicólogo?

psi responde

Conheça o “PSI Responde”: Seu Canal Direto de Dúvidas com a Quallity PSI!

A Quallity PSI se compromete a oferecer suporte contínuo a profissionais em busca de aconselhamento e orientação em suas carreiras. Para facilitar ainda mais esse processo, introduzimos o “PSI Responde”, um serviço dedicado a esclarecer suas dúvidas sobre carreiras e temas relacionados ao desenvolvimento profissional e pessoal.

Como Funciona o “PSI Responde”?

Se você tem perguntas sobre sua trajetória profissional, está em busca de conselhos para avançar na carreira ou precisa de orientação sobre questões específicas do mercado de trabalho, o “PSI Responde” está aqui para ajudar. Nossos especialistas estão prontos para fornecer respostas personalizadas e conselhos práticos.

Envie Suas Perguntas

Basta enviar suas perguntas para contato@quallitypsi.com.br. Nossa equipe de especialistas vai analisar e responder com insights e orientações baseadas em anos de experiência no campo da psicologia e gestão de carreiras. Seja uma dúvida sobre uma decisão de carreira, estratégias para o desenvolvimento profissional ou como lidar com desafios no ambiente de trabalho, estamos aqui para apoiá-lo.

Temas que Você Pode Explorar

  • Mudança e transição de carreira
  • Desenvolvimento de habilidades e competências
  • Estratégias para networking eficaz
  • Preparação para entrevistas e elaboração de currículos
  • Gerenciamento de stress e ansiedade no trabalho
  • Equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Aproveite este canal para se conectar com profissionais que realmente entendem as nuances do mundo do trabalho e podem oferecer orientações claras e eficazes. No “PSI Responde”, estamos comprometidos em ajudá-lo a navegar pelas complexidades das carreiras modernas, proporcionando suporte que faz a diferença.

Não hesite em nos contactar com suas questões. Estamos aqui para facilitar seu caminho para o sucesso profissional com o “PSI Responde”!

Psi Responde: Atividade para auxiliar no controle de vício e impulsividade

O controle de vícios e impulsividade pode ser um desafio, mas existem várias atividades e estratégias que podem ser úteis nesse processo. Lembre-se de que é importante buscar apoio profissional, como terapeutas, psicólogos ou grupos de apoio, para obter orientação específica para o seu caso. Aqui estão algumas atividades que podem auxiliar no controle de vícios e impulsividade:

  1. Mindfulness e Meditação:
    • Práticas mindfulness, como meditação, podem ajudar a aumentar a consciência do momento presente, reduzir o estresse e promover o autocontrole. Aplicativos de meditação guiada podem ser úteis para iniciantes.
  2. Exercícios Físicos:
    • Atividades físicas regulares não apenas promovem a saúde geral, mas também ajudam a liberar endorfinas, o que pode melhorar o humor e reduzir impulsividade.
  3. Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC):
    • A TCC é uma abordagem terapêutica eficaz para tratar vícios e impulsividade. Trabalha na identificação e modificação de padrões de pensamento disfuncionais e comportamentos prejudiciais.
  4. Hobbies e Atividades Criativas:
    • Engajar-se em atividades que você goste e que exijam concentração pode ajudar a redirecionar energia impulsiva. Isso pode incluir arte, música, esportes, ou qualquer hobby que proporcione prazer.
  5. Estabeleça Metas Pequenas e Realistas:
    • Divida seus objetivos em metas menores e alcançáveis. Isso pode ajudar a evitar sentimentos de sobrecarga e aumentar a motivação à medida que atinge esses marcos.
  6. Registro de Pensamentos e Comportamentos:
    • Mantenha um diário para registrar pensamentos, sentimentos e comportamentos impulsivos. Isso pode ajudar a identificar padrões e desencadeadores, proporcionando insights valiosos.
  7. Desenvolva Habilidades de Enfrentamento:
    • Aprenda técnicas de enfrentamento saudáveis para lidar com o estresse e a ansiedade sem recorrer a comportamentos impulsivos. Isso pode incluir a prática de técnicas de relaxamento, como a respiração profunda.
  8. Grupos de Apoio:
    • Participe de grupos de apoio ou terapia em grupo, onde você pode compartilhar experiências e estratégias com pessoas que enfrentam desafios semelhantes.
  9. Planejamento Antecipado:
    • Antecipe situações que podem desencadear impulsividade e desenvolva planos para lidar com elas de maneira mais saudável.
  10. Recompensas e Reforços Positivos:
    • Estabeleça sistemas de recompensas para si mesmo ao alcançar metas de autocontrole. Reforços positivos podem ajudar a fortalecer comportamentos saudáveis.

Lembre-se de que a busca de ajuda profissional é crucial, e um profissional de saúde mental pode adaptar estratégias específicas ao seu caso. O apoio de amigos e familiares também desempenha um papel importante nesse processo.

Psi Responde: Qual a relação entre Ansiedade como Relações Respondentes e Operantes Não Verbais Versus Relações Respondentes e Operantes Verbais, Versus Relações Respondentes e Operantes Verbais e Não Verbais

A análise das relações entre ansiedade e diferentes tipos de comportamentos, classificados como respondentes e operantes, e categorizados como verbais e não verbais. Vamos explorar esses termos e a relação entre eles:

  1. Relações Respondentes:
    • Refere-se a respostas automáticas ou reflexas a estímulos específicos. Na ansiedade, isso pode incluir reações fisiológicas como aumento da frequência cardíaca, sudorese, tensão muscular, entre outros. Essas respostas são muitas vezes involuntárias e podem ser condicionadas por experiências passadas.
  2. Relações Operantes:
    • Relacionam-se a comportamentos voluntários que são influenciados pelas consequências que se seguem a eles. No contexto da ansiedade, comportamentos operantes podem incluir estratégias de enfrentamento, evitação de situações temidas, ou outros comportamentos que a pessoa realiza para lidar com a ansiedade.
  3. Comportamentos Verbais:
    • Refere-se a comportamentos que envolvem o uso de palavras, como falar, escrever, ou até mesmo pensamentos verbais internos. Na ansiedade, isso pode incluir preocupações verbais, ruminação mental, autorrepreensões, entre outros.
  4. Comportamentos Não Verbais:
    • São comportamentos que não envolvem o uso de palavras. No contexto da ansiedade, isso pode englobar expressões faciais, postura corporal, gestos e outros comportamentos não expressos verbalmente que podem refletir a ansiedade.

Relações entre esses Componentes:

  • Ansiedade como Relações Respondentes e Operantes Não Verbais:
    • Isso pode envolver a experiência de reações automáticas (respondentes) como aumento da frequência cardíaca e simultaneamente a realização de comportamentos não verbais, como inquietação ou evitar situações estressantes.
  • Ansiedade como Relações Respondentes e Operantes Verbais:
    • Aqui, a ansiedade pode manifestar-se tanto em respostas automáticas (respondentes) quanto em comportamentos verbais como preocupações constantes, pensamentos negativos, autorrepreensões, etc.
  • Ansiedade como Relações Respondentes e Operantes Verbais e Não Verbais:
    • Este seria um cenário mais abrangente, onde a ansiedade é expressa através de respostas automáticas (respondentes), comportamentos verbais (pensamentos, palavras) e comportamentos não verbais (expressões faciais, gestos, ações).

A compreensão dessas relações pode ser valiosa na abordagem terapêutica, pois permite uma análise mais abrangente dos padrões de comportamento associados à ansiedade. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e outras abordagens terapêuticas podem ser adaptadas para abordar tanto os aspectos verbais quanto não verbais da ansiedade, ajudando a pessoa a desenvolver estratégias eficazes para lidar com seus sintomas.

 

 

 

Psi Responde: Como fazer uma análise funcional de um caso de ansiedade?

A análise funcional é uma abordagem na psicologia que busca compreender o comportamento problemático identificando os antecedentes (o que acontece antes) e as consequências (o que acontece depois) desse comportamento. Para realizar uma análise funcional de um caso de ansiedade, você pode seguir algumas etapas:

1. Identificação do Comportamento Problema:

  • Descreva de maneira clara e específica o comportamento ansioso que está sendo alvo da análise. Exemplos incluem evitação de situações, preocupações excessivas, sintomas físicos, etc.

2. Levantamento de Antecedentes:

  • Identifique fatores ou situações que ocorrem antes do comportamento ansioso. Antecedentes podem incluir eventos, pensamentos, emoções, ambientes, entre outros. Pergunte-se: O que precede o comportamento ansioso?

3. Identificação de Consequências:

  • Analise as consequências imediatas e a longo prazo do comportamento ansioso. Isso pode incluir alívio temporário da ansiedade, atenção de outras pessoas, evitação de situações temidas, entre outros. Pergunte-se: O que acontece como resultado do comportamento ansioso?

4. Exploração das Funções do Comportamento:

  • Tente identificar a função ou funções do comportamento ansioso. As funções podem incluir escapar de algo temido, obter atenção, evitar tarefas difíceis, entre outras. Pergunte-se: Qual é o propósito do comportamento ansioso para a pessoa?

5. Avaliação das Variáveis Ambientais:

  • Considere os fatores ambientais que podem estar contribuindo para a ansiedade. Isso pode incluir estresse no trabalho, relacionamentos interpessoais, eventos traumáticos passados, etc.

6. Avaliação Cognitiva:

  • Explore os pensamentos e crenças associados à ansiedade. Isso pode envolver avaliar padrões de pensamento negativo, distorções cognitivas e percepções distorcidas de ameaça.

7. Desenvolvimento de Intervenções:

  • Com base na análise funcional, desenvolva estratégias de intervenção que visem modificar antecedentes e consequências para reduzir a frequência do comportamento ansioso. Isso pode incluir técnicas de enfrentamento, reestruturação cognitiva, exposição gradual, entre outras abordagens terapêuticas.

8. Monitoramento e Ajustes:

  • Implemente as intervenções e monitore continuamente o progresso. Faça ajustes conforme necessário, levando em consideração a resposta do indivíduo ao tratamento.

Lembre-se de que uma análise funcional completa requer uma compreensão holística do indivíduo, e a colaboração com um profissional de saúde mental pode ser valiosa para realizar uma avaliação mais abrangente e eficaz.

 

Psi Responde: Existe medicação específica para o TOD?

Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD) é geralmente tratado com abordagens não farmacológicas como a terapia comportamental, terapia cognitivo-comportamental e intervenções psicossociais. Essas abordagens focam em ajudar a criança ou adolescente a desenvolver habilidades sociais, emocionais e comportamentais mais adaptativas.

Não há medicamentos específicos aprovados exclusivamente para o tratamento do TOD. No entanto, em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos para tratar sintomas específicos associados ao TOD, como agressividade extrema ou irritabilidade. Os medicamentos podem incluir estabilizadores de humor, antipsicóticos ou estimulantes, dependendo da avaliação clínica do profissional de saúde mental.

É importante destacar que o tratamento deve ser personalizado para atender às necessidades individuais de cada pessoa, e a decisão de usar medicamentos deve ser feita em consulta com um profissional de saúde mental, levando em consideração os riscos e benefícios.

Recomendo verificar informações com medicos ou profissionais de saúde, pois as diretrizes podem ter mudado.

Psi Responde: O que é dessensibilização sistemática e a habituação?

A dessensibilização sistemática e a habituação são conceitos relacionados, mas não são exatamente a mesma coisa. Ambas estão relacionadas à redução da resposta a estímulos, mas operam de maneiras diferentes.

  1. Dessensibilização Sistemática:
    • É uma técnica utilizada na terapia comportamental para tratar fobias e ansiedades. Envolve a exposição gradual e sistemática a estímulos associados ao medo ou à ansiedade. O objetivo é que a exposição progressiva leve a uma resposta menos intensa ao estímulo ao longo do tempo. A dessensibilização sistemática é uma forma de condicionamento, mas é um processo ativo e deliberado que ocorre em um contexto terapêutico.
  2. Habituação:
    • É um processo natural pelo qual a resposta a um estímulo diminui ao longo do tempo devido à exposição repetida a esse estímulo. A habituação é um componente fundamental do aprendizado e adaptação. Por exemplo, se você mora perto de uma estrada movimentada, inicialmente pode achar o barulho perturbador, mas ao longo do tempo, seu cérebro pode se habituar a ele, reduzindo a resposta emocional.

Em resumo, a dessensibilização sistemática é uma estratégia terapêutica específica que visa reduzir ansiedades e fobias por meio de exposição gradual e controlada. A habituação, por outro lado, é um processo natural de redução da resposta a estímulos devido à exposição repetida, que ocorre espontaneamente em várias situações.

Na dessensibilização sistemática, o terapeuta guia o processo de exposição, enquanto a habituação pode ocorrer de maneira não intencional na vida cotidiana. Ambos os conceitos, no entanto, envolvem a ideia de que a exposição repetida a um estímulo pode levar a uma diminuição na resposta emocional associada a esse estímulo.

Psi Responde: O pico de ansiedade é importante para o processo de dessensibilização e habituação?

A ideia de habituação está relacionada à diminuição da resposta a um estímulo devido à exposição repetida. No contexto da ansiedade, passar pelo pico de ansiedade pode ser uma parte importante do processo de dessensibilização e habituação. Aqui estão alguns pontos-chave:

  1. Exposição Gradual:
    • A exposição gradual a situações ou estímulos que causam ansiedade é uma estratégia comum na terapia cognitivo-comportamental. Ao se expor gradualmente a esses elementos, a pessoa pode começar a perceber uma diminuição na ansiedade ao longo do tempo.
  2. Pico de Ansiedade:
    • Muitas vezes, durante a exposição, pode ocorrer um aumento temporário na ansiedade, conhecido como “pico de ansiedade” ou “pico de estresse”. Esse pico é uma reação natural à exposição ao temido estímulo.
  3. Habituação ao Longo do Tempo:
    • Se a pessoa continuar a se expor ao estímulo de forma controlada e gradual, a tendência é que ocorra a habituação. Isso significa que, com o tempo e a repetição da exposição, a resposta emocional diminui, e a pessoa pode se sentir menos ansiosa em relação ao estímulo.
  4. Processo Individual:
    • Vale ressaltar que a taxa de habituação varia entre indivíduos e depende da natureza e intensidade da ansiedade, bem como da forma como a exposição é conduzida. Algumas pessoas podem habituar-se mais rapidamente do que outras.
  5. Acompanhamento Profissional:
    • A exposição controlada e a habituação são frequentemente parte de intervenções terapêuticas. Um profissional de saúde mental, como um terapeuta cognitivo-comportamental, pode fornecer orientação e suporte durante esse processo.

Ao passar pelo pico de ansiedade, a pessoa está enfrentando ativamente o estímulo temido, contribuindo para a dessensibilização e, eventualmente, para a habituação. É importante notar que a abordagem deve ser gradual e adaptada à capacidade individual de lidar com a ansiedade. Se estiver buscando esse tipo de abordagem, considere consultar um profissional de saúde mental para orientação personalizada.

Psi Responde: Diferença entre Potenciação X Habituação

A potenciação e a habituação são processos diferentes que ocorrem em resposta à exposição repetida a estímulos. Vamos esclarecer esses conceitos:

  1. Potenciação:
    • A potenciação refere-se ao aumento da resposta a um estímulo após exposição repetida. Em outras palavras, em vez de diminuir, a resposta ao estímulo torna-se mais intensa ao longo do tempo. Esse fenômeno é observado em contextos neurobiológicos, como na potenciação de longa duração (LTP) em sinapses neuronais. Não é um termo frequentemente aplicado diretamente a processos comportamentais, como a habituação.
  2. Habituação:
    • A habituação, por outro lado, envolve a diminuição da resposta a um estímulo após exposição repetida. Com a repetição do estímulo, a resposta comportamental ou fisiológica diminui porque o organismo se adapta ao estímulo. A habituação é um processo comum em muitos organismos e desempenha um papel importante na adaptação ao ambiente.

Fatores que Diferenciam Potenciação de Habituação:

  1. Frequência de Exposição:
    • Na habituação, a exposição repetida ao estímulo é fundamental para a diminuição da resposta. Quanto mais vezes a exposição ocorre, maior é a tendência à habituação. Na potenciação, a resposta aumenta com a repetição.
  2. Tipo de Estímulo:
    • Alguns estímulos são mais propensos à habituação, enquanto outros podem induzir potenciação. Isso depende da natureza do estímulo e da forma como o organismo responde a ele.
  3. Contexto Neurobiológico vs. Comportamental:
    • A potenciação é frequentemente usada em contextos neurobiológicos, especialmente em relação à plasticidade sináptica no cérebro. A habituação é um conceito mais amplo e pode se aplicar a respostas comportamentais e fisiológicas.
  4. Objetivo do Processo:
    • Enquanto a habituação geralmente é vista como um processo adaptativo que ajuda os organismos a se ajustarem a estímulos rotineiros e não ameaçadores, a potenciação pode estar associada a processos de aprendizado e memória.

Em resumo, a habituação e a potenciação são processos distintos e, muitas vezes, ocorrem em diferentes contextos e níveis (neurobiológico vs. comportamental). A habituação é mais comumente associada a respostas comportamentais e é um mecanismo adaptativo para lidar com estímulos repetitivos. A potenciação, por outro lado, é frequentemente discutida em termos de plasticidade sináptica e processos de aprendizado no nível neural.